O último romance escrito pelo autor russo Vladimir Nabokov (1899-1977), chamado "O original de Laura", será publicado em novembro, anunciou a editora Penguin.

 

A obra foi escrita em 138 cartões que a empresa quer reproduzir junto a uma transcrição do texto na página seguinte. 

 

O autor, que ficou famoso com o livro "Lolita", deixou instruções para que o romance fosse destruído depois que morresse, mas o filho de Nabokov e testamenteiro da obra, Dmitri, decidiu publicá-lo no ano passado.

 

O romance sobre a ninfeta que se envolve com um homem bem mais velho ganhou duas grandes adaptações para o cinema. Uma dirigida por Stanley Kubrick, em 1962, e a outra por Adrian Lyne, em 1997.

 

A emissora pública britânica "BBC" informou que os herdeiros de Nabokov receberam mais de US$ 1 milhão pelo trabalho, que será lançado em 3 de novembro simultaneamente no Reino Unido e nos Estados Unidos.

 

Alexis Kirschbaum, o diretor da Penguin Classics, negociou diretamente com o filho de Nabokov e afirmou que "foi uma decisão muito complicada para Dmitri, estava há décadas pensando nisso", afirmou a empresa em comunicado.

 

"O original de Laura" está guardado em um caixa-forte de um banco suíço há mais de 30 anos, e a rejeição do livro por parte de Nabokov é semelhante à sofrida por "Lolita", obra que o autor também quis destruir, mas que acabou publicando após ser pressionado pela esposa.

 

O romance conta a história de um homem obcecado com a promíscua esposa e que narra esta obsessão desde que se conheceram quando eram jovens.

 

Kirschbaum afirmou que o livro é sombrio e engraçado, e que explora "o que significa odiar a si mesmo e querer desaparecer".