Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true

“O avô chegou no corpo do neto, baleado no chão, olhou para o policial e disse: você matou meu neto.
Ouviu como resposta: seu neto era traficante. Dyogo Xavier tinha chuteiras na mochila, morreu indo treinar futebol no América.
Antes de chorar a morte de neto, a família teve que se ocupar em provar sua inocência, porque é assim que o Estado faz, mata e tenta manchar a memória.
Contando com esse menino, foram 5 jovens assassinados no RJ em 80 horas.” Todos negros.
“Fala do avô: A ‘droga’ que ele tinha na mochila era a chuteira e um par de sandália de dedo. Mais R$ 85, que ele ia treinar no Rio, no América. Sumiu tudo.”
Dyogo tinha 16 anos. Levou um tiro de fuzil pelas costas.
A polícia disse que houve troca de tiros com traficantes. Mais de 20 testemunhas disseram que não.
No Rio de Janeiro.
A polícia do Rio de Janeiro.

Fonte:Rede de Proteção e Resistência Contra o Genocídio