Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true

Já imaginou um futuro em que a garotada sonhe em jogar poker como carreira profissional? Essa possibilidade não é uma realidade utópica, pois a modalidade está crescendo bastante e hoje é um dos esportes mais emergentes do Brasil.

Além de ter o apelo tático e estratégico, o poker também tem um forte lado financeiro. As maiores competições do mundo distribuem prêmios acima de R$ 1 milhão para os campeões das etapas principais, enquanto no Brasil o cenário fica melhor a cada torneio que passa.

Em Alagoas e nos Estados próximos, vários competidores já romperam a barreira milionária dos prêmios com as competições de poker e o cenário é bastante otimista para o futuro.

Poker online puxa a fila 

Boa parte da popularização do poker se deve ao fato de que ele pode ser jogado em diferentes circunstâncias e não necessariamente em lugares físicos. Em sites como partypoker, por exemplo, há uma série de diferentes opções para o competidor ao longo do ano que se adequam ao nível de cada um.

Os competidores de Alagoas também estão no rol dos jogadores que se adaptaram ao mundo do poker online e vários deles estão com mais de R$ 1 milhão conquistados em suas respectivas carreiras.

Segundo ranking do site Pocketfives, que lista os competidores de acordo com suas performances nas mesas, atualmente Henrique Lessa é o melhor de Alagoas no poker online.

Entre os 100 melhores do Brasil, que é uma potência nessa variante, Lessa já tem US$ 368 mil conquistados na carreira — em conversão para o real atual esse número vai para R$ 1.37 milhão.

Em segundo está Hiran “Bass” Mariano, que é um dos grandes competidores da história do Estado. Com uma carreira mais volumosa em termos de torneios e anos de prática, Hiran está quase na marca milionária dos dólares com R$ 3.64 milhões no poker online.

Henrique e Hiran são acompanhados por outros alagoanos que ganharam mais de R$ 1 milhão na modalidade online, como Renato Costa (R$ 1.95 milhão), Rafael de Mello (R$ 1.94 milhão) e

Alex Silvestre (R$ 1.70 milhão). Todos estão entre os seis melhores do Estado em termos de pontuação no ranking atual.

Outros competidores do Nordeste conseguem fazer ainda melhor, como é o caso de Pablo Brito. O soteropolitano que é conhecido nas mesas digitais como “pabritz” atualmente é o melhor do Brasil no ranking online e está no top 15 mundial.

Com o poker como profissão, Pablo tem R$ 17.5 milhões conquistados nos torneios online, o que representa uma das maiores marcas da história do esporte nacional.

Jogadores do poker ao vivo também com grandes cifras 

No que tange ao poker disputado em torneios físicos, os jogadores alagoanos e nordestinos também fazem bonito. Em Alagoas, o grande destaque é Rogério Siqueira, arapiraquense que já disputou um seleto torneio com apenas os 32 melhores competidores do país (2018).

Atualmente, Siqueira é o grande capitão e líder da seleção alagoana no Campeonato Brasileiro de Poker por Equipes (CBPE) e fez bonito na competição que terminou no dia 18 de julho. Na ocasião, o Estado ficou entre os 10 primeiros colocados de 20 participantes.

Só em torneios disputados ao vivo, Rogério tem US$ 224 mil na carreira, o equivale a R$ 838 mil. Perto de quebrar a barreira do um milhão, o alagoano disputa várias etapas de circuitos conceituados como Brazilian Series of Poker (BSOP) e World Series of Poker (WSOP).

Outro que está no caminho de atingir a marca milionária em torneios ao vivo é o próprio Pablo Brito. Com aproximadamente R$ 500 mil conquistados nesse tipo de modalidade, o craque do poker online provavelmente ultrapassará a marca do um milhão algum dia.

Entre os competidores nordestinos, alguns se destacam em âmbito nacional no que diz respeito a premiação em torneio ao vivo. O cearense Bruno Foster, por exemplo, é o único brasileiro da história a terminar entre os 10 primeiros do Main Event do WSOP e está entre os seis mais bem pagos do poker brasileiro em competições live.

Com R$ 6 milhões conquistados na carreira ao vivo, só a nona colocação do Main Event do WSOP de 2014 rendeu ao cearense mais de R$ 3.5 milhões. Ainda na ativa, Bruno segue obtendo bons resultados em âmbito mundial.

Outro cearense que merece reconhecimento é Oderlândio Moura. Profissional que já ganhou um torneio do World Series of Poker International Circuit realizado em São Paulo, o atleta da mente tem R$ 1.1 milhão em sua trajetória de grandes torneios nacionais.

Milionário com um só torneio jogando no Brasil? É possível 

Todos os anos entre novembro e dezembro acontece o BSOP Millions, que é a etapa de encerramento da temporada do campeonato brasileiro da modalidade. Esse evento geralmente é realizado em São Paulo e o Main Event é disputado por milhares de competidores.

Nas últimas duas edições, a competição distribuiu prêmio milionário para o campeão. Em 2018, o paranaense Leocir Carneiro embolsou R$ 1.1 milhão com o título, enquanto no ano anterior o sul-mato-grossense Saulo Sabioni conquistou R$ 1 milhão.

A expectativa é que no encerramento desta temporada o prêmio também atinja a casa do um milhão, o que vai motivar ainda mais a participação de novos competidores nessa modalidade que não para de crescer no país todo.