Assessoria Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true Deputada Jó Pereira

As manifestações de quarta-feira (15) e as declarações do presidente Jair Bolsonaro (PSL) sobre o assunto ainda repercutiram na sessão desta quinta-feira (16), na Assembleia Legislativa, quando a deputada Jó Pereira usou a tribuna: “Nem hoje, nem ontem, nem amanhã, ninguém jamais será idiota, quando a causa for mudanças no rumo da educação de nosso país”, disse, fazendo um paralelo entre os atos de ontem e do passado recente.

Ela chamou a atenção para a necessidade do país sair do embate “esquerda e direita e direita e esquerda”: “A luta pela educação tem que nos unir... Continuamos mobilizados enquanto cidadãos, pois a causa é educação e vai muito além de esquerda e direita”.

A deputada prosseguiu frisando que a educação não pode ficar refém de disputas, de polêmicas ou de discursos ineficientes e improdutivos: “Beira a total alienação alguém pensar que essa causa, a falta de uma educação de qualidade, inclusiva, tecnológica e transformadora, não venha a ser o grande entrave de nosso desenvolvimento, que impede a melhoria da qualidade de vida da esmagadora maioria da população brasileira, e que traz reflexos sobre todos”.

Jó Pereira também pontuou o fato de há muito tempo o Brasil vivenciar um período de cortes, agora agravados, e criticou a inoperância do Ministério da Educação (MEC): “Já são quatro meses e meio de atraso, de falta de rumo e prioridade na educação, de polêmicas, desmandos e paralisia. Temos que falar do Fundeb, formação de professores, das avaliações de desempenho da educação. Falar da execução dos planos de educação, e sair deste embate ideológico”, defendeu, lembrando as inúmeras políticas públicas que foram descontinuadas ou sequer iniciadas.

“A educação não pode ser projeto de um governo, mas de todos os governos, partidos, um projeto de nação. E para não dizer que estou me referindo a este governo, especificamente, quero lembrar que há muito tempo estamos dando atenção ao que não é prioridade. Aprovamos um plano, um não, vários planos de educação, que não são utilizados como instrumentos de gestão, como leme para construir a educação que queremos”, completou, se referindo também a educação em nível estadual.

Ao encerrar a fala, a parlamentar citou a música “Saiba”, de Arnaldo Antunes, para lembrar que a humanidade deve falar mais alto em momentos delicados como esses. “Os erros do passado não podem ser repetidos, mas precisam ser lembrados para que sirvam de exemplo de como não podemos fazer. Repeti-los, dizendo que são erros, isso sim é idiotice... Esta polarização não é produtiva, não soma e não cria soluções”.