Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true

Quem passou nesta terça-feira (14) pelo Aeroporto Internacional Zumbi dos Palmares, na parte alta da capital alagoana, recebeu orientações da campanha “Pare: eu não sou seu brinquedo”, promovida pela Secretaria de Estado de Prevenção à Violência (Seprev).

A campanha integra o calendário de atividades educativas que vai até o próximo sábado (18) e tem o objetivo de levar informações sobre o enfrentamento à exploração e abuso sexual contra crianças e adolescentes em Alagoas.

Com panfletos e outros materiais educativos, os técnicos da Seprev fixaram nos murais de aviso e pilastras do local folders e abordaram turistas, funcionários e transeuntes.

Entre pousos e decolagens e com uma média de 2,2 milhões de passageiros por ano, o superintendente da Infraero em Alagoas – responsável pela administração do Aeroporto – Adilson Pereira, ressalta a importância da iniciativa.

“Esse tipo de ação é fundamental em qualquer ambiente e aqui no aeroporto é ainda mais oportuna a promoção dessa campanha. Na chegada a Alagoas, por exemplo, as pessoas já tomam conhecimento de que aqui temos preocupação com esse tema. Somos a porta de entrada  e não poderia ser diferente”, destacou.

A supervisora de Planejamento e Articulação Intersetorial da Política da Criança e do Adolescente da Seprev, Adriana Oliveira, falou que o combate do problema precisa da participação de toda a sociedade. “Conseguimos atingir quem está chegando e quem está em trânsito e isso é importante porque todos nós somos e precisamos ser responsáveis para enfrentar esse problema.  Outro ponto importante da ação do Aeroporto é o alerta para o tráfico dessas vítimas para fins de exploração sexual”, lembrou.

Enquanto esperava na área de desembarque o filho que voltava de uma viagem de Rondônia, José Fernando acompanhou a ação e parabenizou a campanha realizada no local. “Eu acho que isso tem que ser feito não só no aeroporto como em outros ambientes de grande circulação para alertar as pessoas sobre a importância da denúncia e assim proteger as nossas crianças e adolescentes”, disse.