Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true

O Dia das Mães será de presentes segundo pesquisa realizada pelo Instituto Fecomércio que aponta que 71% dos maceioenses pretendem presentear na data. O número revela um discreto aumento em relação ao ano passado, quando 70,2% dos entrevistados sinalizaram intenção de compra. No ranking dos presentes, os mais procurados pelos filhos são perfume/cosméticos e vestuário, cada um com 25% das procuras. Seguido por calçados, com 22%.

A assessoria de Comunicação da Fecomércio informou que acessórios e bolsas (6%), joias e bijuterias (3,9%), celular/smartphone (2,3%), entre outros itens, estão na relação de compras. Questionados onde comprar os presentes, os consumidores apontam as lojas dos shoppings (69,9%), Centro de Maceió (15,8%), lojas de rua/bairro/galeria (6,2%), entre outras opções.

Os entrevistados devem gastar na compra do presente entre R$ 51 a R$ 100 (37,9%), até R$ 50 (17,8%), entre R$ 101 a R$ 150 (16%), entre R$ 151 e R$ 200 (11%). Segundo a pesquisa do Instituto Fecomércio, os preços representam o maior atrativo para o consumidor na hora de decidir em qual loja comprar (25,5%). Outros fatores também interferem, a exemplo de promoções (14,7%), variedades (14,7%), conforto (16,8%), proximidade (10,8%).

A principal forma de pagamento adotada pelos consumidores será o pagamento à vista/dinheiro (45,8%), cartão de crédito/parcelado (29,4%), à vista/cartão de débito (18%) e cartão de crédito rotativo (6,5%). Conforme os entrevistados, 62,4% pretendem comprar apenas um presente. Já 22% estão decididos a comprar dois presentes.

E as famílias sinalizaram a pretensão em comemorar o Dia das Mães (82%). Essa comemoração vai custar entre R$ 51 a R$ 100 (39,7%), entre R$ 101 e R$ 150 (11,2%), até R$ 50 (25,8%) e outros valores. Os entrevistaram afirmaram que vão comemorar em casa (41%), na casa dos pais (20%), em restaurantes (18,2%), na casa de parentes (3,08%) e também indicaram outras possibilidades. Quanto aos entrevistados que não vão presentear (28,8%), alegaram: não tem a quem presentear (59,4%); comemora de outra forma (18,8%); desempregado (7,7%).

De acordo com o assessor econômico da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Alagoas (Fecomércio AL), Felippe Rocha, em Maceió, o momento de consumo tem apresentado alta em relação aos mesmos meses do ano anterior, ainda que na variação mensal tenha ocorrido desaceleração nos últimos dois meses. O consumo esperado para o Dia das Mães deste ano é 0,8% superior ao do ano anterior. “Perspectiva bastante positiva, já que a economia brasileira, nos primeiros quatro meses do ano esteja apresentando desaceleração”, afirma.

Na capital, Rocha explica que o consumo de bens e serviços para o Dia das Mães será de R$ 19.853.683,93. Já o gasto com comemorações deverá ser de R$ 17.757.680,28, totalizando R$ 37 milhões. “Além disso, os consumidores da capital, devem gastar em média cerca de R$ 144 para aquisição de presentes e aproximadamente R$ 129 para levarem suas mamães aos restaurantes, praias e outros passeios”, ressaltou.

PERFIL

Do total de entrevistados, 42% são pessoas do sexo masculino e 57% do sexo feminino com idades entre 25 e 34 anos (31,2%), entre 35 e 44 anos (24,8%), entre 18 e 24 anos (23,6%). O perfil de escolaridade é o ensino médio (41%), superior (33%), técnico (9%), pós-graduação (10%) e fundamental (8,5%). Quanto à renda dos entrevistados, 69% recebe entre dois e cinco salários mínimos e 15,2% recebem entre cinco e dez salários mínimos.

A pesquisa do Dia das Mães foi realizada no período de 30 de abril a 3 de maio de 2019. Durante o período as entrevistas foram realizadas em ambientes de consumo de grande circulação. A técnica utilizada foi de pesquisa quantitativa/qualitativa por amostragem. A técnica de coleta de dados foi a de entrevista pessoal individual aplicada com base em questionário estruturado desenvolvido pelo núcleo de pesquisa do Instituto Fecomércio composto por 11 perguntas fechadas (entre respostas múltiplas e únicas). O tamanho mínimo da amostra estimado foi determinado em 500 entrevistados da capital de Alagoas, com nível de confiança de 95% e margem de erro de 5%. (2,5% para mais ou para menos).

 

*Com assessoria