Adeildo Lobo Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true Representantes do Judiciário, Executivo e Legislativo se reuniram nesta segunda (6) para debater ações de combate à violência doméstica.

O presidente do Tribunal de Justiça de Alagoas (TJAL), Tutmés Airan, em reunião nesta segunda-feira (6) com deputadas estaduais, discutiu ações de combate à violência doméstica. No encontro, foi debatida a implantação de uma Casa da Mulher Brasileira em Maceió, que reuniria serviços especializados no atendimento às mulheres.

“A cidade de Campo Grande, no Mato Grosso do Sul, teve uma experiência muito exitosa, que estamos querendo implantar aqui em Maceió. O local reuniria Delegacia da Mulher, Patrulha Maria da Penha, Defensoria Pública, Ministério Público, Juizado da Mulher, entre outras instituições que se articulam na defesa da mulher vítima de violência doméstica”, disse Tutmés Airan.

Segundo o desembargador, a ideia inicial é implantar a Casa da Mulher Brasileira no primeiro andar do Juizado da Mulher de Maceió, localizado na Praça Sinimbu, no centro de Maceió. “Vamos ver se o local tem condições de receber o projeto. O Poder Judiciário entraria com o imóvel, e o Executivo reformaria o local, adaptando-o para as necessidades do projeto. Os órgãos já existem, só que estão espalhados. Queremos colocar tudo em um único lugar”, explicou.

Para a deputada estadual Fátima Canuto, a iniciativa é importante e deve contribuir no enfrentamento à violência doméstica em Alagoas. "Esse é um problema que vem se agravando, e essa união entre Legislativo, Judiciário e Executivo é fundamental para reduzir esse número alarmante de agressões contra as mulheres".

Também participaram da reunião as deputadas Ângela Garrote, Cibele Moura e Flávia Cavalcante, além do juiz auxiliar do Juizado da Mulher da Capital, José Miranda Santos Júnior, e do secretário de segurança pública, coronel Lima Júnior.

*com Dicom TJAL