Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true

De acordo com a SERASA a demanda dos consumidores por crédito cresceu 3,7% em 2018 em comparação com 2017, mas apesar das facilidades fornecidas por muitos bancos, é preciso ficar atento ao recorrer a um empréstimo.

Em tempos de crise, muitos consumidores solicitam créditos para saldar dívidas, adquirir um imóvel, realizar uma viagem ou por alguma emergência. Caso você já tenha pensado em recorrer a um empréstimo para tais finalidades, é provável que você já tenha ouvido falar sobre o empréstimo pessoal e o empréstimo consignado. No entanto, você conhece quais são as

principais diferenças entre eles? Mesmo com as facilidades fornecidas por diversos bancos é preciso ficar atento às taxas de juros, valores das parcelas a serem pagas e o tempo para quitação do empréstimo.

O pedido de um empréstimo bancário se for bem utilizado pode trazer benefícios ao requerente. Em tempos de crise o pedido de crédito para trocar juros mais altos por taxas menores, obter descontos comprando à vista, limpar o nome no mercado ou abrir um negócio pode ser vantajoso e trazer benefícios, mas tomar um empréstimo para compras desnecessárias ou para uma viagem não é o mais indicado entre os especialistas.

Empréstimo consignado 

O empréstimo consignado é considerado uma das modalidades mais baratas de empréstimos que existem no mercado é um tipo de empréstimo concedido por bancos e financeiras para um determinado público.

Funcionários Públicos, funcionários de empresas privadas, ou seja, aqueles que têm carteira assinada e aposentados e pensionistas do INSS, são os requerentes que podem solicitar tal empréstimo.

Como as parcelas são pagas? 

Para funcionários públicos e de empresas privadas a parcela é descontada diretamente na folha de pagamento para aposentados e pensionistas do INSS é descontado diretamente do benefício. Podendo fazer o pagamentos das parcelas até em 72 vezes.

Qual é o valor das parcelas? 

A lei 13172 aumentou de 30 para 35% a porcentagem do salário que pode ser comprometida no valor das parcelas, ou seja, se o seu salário for de R$ 1.000,00 o valor máximo da parcela do seu empréstimo será de R$ 350,00. Essa é uma forma de proteção para que o trabalhador não perca todo seu salário. Ao requerer este empréstimo o requerente deve estar ciente que por um determinado período não poderá contar com aquele valor da parcela que está sendo destinado ao empréstimo, isto é, se o seu salário for de R$ 1.000,00 e você tiver um empréstimo cujo valor da parcela é de R$ 350,00, por um determinado tempo o seu salário será de R$ 650,00, com isso o planejamento financeiro deve ser repensado para que não haja a possibilidade de pedir um novo empréstimo e que tudo saia do controle.

É possível ter mais de um empréstimo consignado? 

É possível desde que a soma do valor das parcelas não ultrapasse os 35% do valor do seu salário. Como no exemplo citado anteriormente, caso seu salário

Seja de R$ 1.000,00, você pode ter um empréstimo com uma parcela de R$ 200,00 e outro empréstimo com uma parcela de R$150,00 desde que a soma dos dois empréstimos não ultrapasse os R$350,00, ou seja, os 35% previstos em lei não haverá nenhuma barreira.

Em um empréstimo consignado qual é o valor de taxa razoável ?

A grande vantagem do empréstimo consignado são que as taxas de juros dos empréstimos oferecidos são bem mais baixas que outras modalidades de crédito como o cheque especial e o rotativo do cartão de crédito.

Segundo o Banco Central (BC), as linhas de empréstimo pessoal tradicional chegam a alcançar uma taxa de juros de 22,2% ao mês, as do consignado variam entre 1,22% a, no máximo, 6,27% ao mês. Para um consignado privado a média é de 3,5%, para um consignado público a média é de 2,5%, para crédito consignado INSS, isto é, para aposentados e pensionistas a média é de 2,7%. Perceba que as taxas praticadas para funcionários de empresas privadas são maiores do que as praticadas para funcionários públicos e aposentados e pensionistas do INSS isso acontece porque ambos apresentam uma estabilidade salarial. Já quem trabalha em empresa privada não tem estabilidade garantia por lei e pode ser demitido a qualquer momento por isso o banco entende que o risco é maior. O que justifica os juros mais altos.

E se eu for demitido?

Neste caso, desde que esteja no contrato, a empresa está autorizada a descontar até 30% do valor da rescisão para abater no empréstimo. Se o valor da rescisão não for suficiente para quitá-lo o requerente deverá entrar em contato com o banco e renegociar a forma de pagamento com uma diminuição no valor das prestações e um aumento no prazo de vencimento das parcelas, no entanto, é provável que haja um aumento na taxa de juros, pois o banco já não poderá fazer o desconto diretamente em folha.

O crédito pessoal 

É um tipo de crédito feito pelas instituições financeiras a pessoas físicas que detenham as condições exigidas para a concessão do empréstimo depois de ter o seu cadastro submetido à aprovação.

Como funciona a aprovação de crédito? 

Depois de solicitar o crédito pessoal, a instituição financeira fará uma análise de risco para saber se você terá as condições necessárias para saldar a dívida. Nesta avaliação serão avaliados alguns pontos: Comprovantes de renda, documentos pessoais, dívidas e seus hábitos de consumo. Não estar negativado no SPC, será de extrema importância para que seu crédito seja aprovado.

Quando eu posso receber o dinheiro? 

Logo após o crédito pessoal aprovado, você já poderá receber o dinheiro. Depois disso, você deverá ficar atento com o vencimento das prestações do empréstimo para não pagar multas e juros.

Quais são as médias dos juros? 

O custo do crédito pessoal varia conforme o valor e prazo de pagamento. A média pode oscilar entre 1 e 15% ao mês. O melhor a ser feito é pesquisar a média entre todas as instituições financeiras para que você possa escolher a que lhe fornecerá as melhores condições e também para que exista a possibilidade de negociação entre você e a instituição financeira de sua preferência.

Posso ter mais de um empréstimo pessoal?

Sim, desde que a possibilidade de pagamento seja comprovada.

Conclusão 

Caso você possa adquirir o empréstimo consignado, de preferência a ele. Os juros são menores e você economizará uma boa quantia quando quitar o empréstimo. Para que você possa ter uma dimensão da diferença entre ambos a média da taxa de juros para empréstimo pessoal é de 4,90% ao mês contra 1,77% do empréstimo consignado.

Essa diferença significa pagar R$ 4.550,64 a mais em juros de um empréstimo pessoal de R$ 20 mil do que em um crédito consignado (fazendo o pagamento em 12 meses – segundo taxas informadas ao Banco Central).

Agora se por algum motivo você não possa aceder ao empréstimo consignado e deverá recorrer ao empréstimo o pessoal, o melhor é você fazer uma análise entre todas as situações financeiras de sua preferência e analisar a taxa de juros que elas oferecem e escolher a que lhe dará as melhores condições de pagamento para saldar o empréstimo da melhor maneira possível sem ter que contrair novas dívidas.