Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true

É normal que nossa vida busquemos pauta-la sob a obediência de alguns princípios como a gratidão, a amizade, o reconhecimento e a parceria. Na política, extensão da vida de qualquer cidadão ou político que deseje ter sucesso, não difere em nada desses ingredientes da vida.

Nos últimos meses temos observado uma quebra nessa lógica da vida política na cidade de Arapiraca. Rogério Teófilo venceu inesperadamente a eleição, contrariando a qualquer prognóstico eleitoral. Muitas explicações foram dadas para justificar esse fato, indo desde uma explosão silenciosa da população contra os maus gestores até uma autossuficiência política dos perdedores. 

A fato é que naquela eleição poucos estiveram unidos do lado vencedor. Entre os políticos mais conhecidos se sobrepunha Severino Pessoa, Rodrigo Cunha, Ricardo Barreto, Dudu Albuquerque, Aurélia Fernandes e Adoniran Guerra. Passado esse instante e logo no primeiro início de sua administração, Rogério Teófilo, seguindo a cartilha política tradicional, reconheceu todos os companheiros, uns com peso maior que outros, inserindo-os na estrutura de governo. Logo a seguir foi buscar uma parceria com o Deputado Federal Arthur Lira e o Senador Benedito de Lira para viabilizar as ações pretendidas para uma política de investimento na cidade. Teve sucesso. Pai e filho, com alto prestígio no Governo Federal, conseguiram trazer recursos que nunca ninguém tinha trazido em tão pouco tempo, reconhecido pelo prefeito em diversos discursos. 

Parecia tudo está correndo bem ao caminho do sucesso, quando sinais estranhos começaram a aparecer. Ricardo Barreto jogou o boné e hoje virou inimigo apoiando inclusive candidatos de oposição ao prefeito. 

Após alguns buchichos internos no governo de utilização da máquina da Saúde a seu favor, reeditando a parceria muito suspeita já realizada no passado com laboratórios e hospitais, e sob fogo cerrado de seus colegas da Câmara Municipal, Aurélia Fernandes deixa também o governo, apesar de parecer continuar mandando na secretaria que comandava oficialmente e hoje na surdina, através de dezenas de funcionários que ela conseguiu contratar e colocar em pontos de comando importantes. Dizem que essa parceria está fadada ao fracasso, pois os rumores de mal condução financeira denunciadas no passado, voltaram a ocorrer nesse governo sob o seu comando. Fontes de dentro do governo, afirmam nos bastidores que ela para não perder seus altos benefícios na estrutura da secretaria de Saúde, se aliou a Rodrigo Cunha nessa eleição e manda seus contratados fingirem está apoiando a esposa do prefeito, Dra. Lúcia Teófilo, suplente do senador Benedito de Lira, achando que ele não terá coragem de demitir seus companheiros. 

Severino Pessoa, que teria sido o maior beneficiado, também deixou o governo. Tornou-se inimigo declarado, mas ao chegar à época das convenções partidárias, foi salvo pelo deputado Federal Arthur Lira de uma iminente derrota antecipada. Apesar de perecer ter Severino Pessoa errado feito em sua estratégia política, hoje volta a contar com o apoio de Rogério Teófilo, que inclusive tem pedido voto para ele e seu filho, candidato a deputado estadual.

Nesse mesmo instante o candidato a senador Rodrigo Cunha tem se isolado propositalmente, alegando que não pode se contaminar com a imagem dos políticos, mesmo que para isso tenha se aliado a políticos de currículo de ações judicias invejável, além de ter toda sua turma pendurada na prefeitura de Arapiraca, como mostra o Portal da Transparência. Hoje tornou-se quase inimigo de Rogério Teófilo, que vem demonstrando em suas ações de campanha, onde nem reconhece a candidatura da esposa do prefeito e faz o trabalho apenas para ele, como se não usufruísse dos benefícios públicos, que tanto combate.

Dudu Albuquerque demonstrava insatisfação com a tentativa de o prefeito emplacar a candidatura de seu filho Moacir Teófilo como deputado estadual, contrariando, segundo afirmava, o acordo firmado no início de sua aliança política. Parece que a saída da esposa de Dudu Albuquerque do governo demonstrou essa insatisfação, o que nos leva a crê que Rogério Teófilo conseguiu ferir novamente o conceito de política, bem como os princípios que devemos reger nossas vidas, já citados no início desse artigo. 

Para complicar um pouco mais esse novo jeito de fazer uma política, está existindo rumores que o deputado Arthur Lira não anda nada satisfeito com o desempenho eleitoral seu e de seu pai na cidade e parece que tem piorado ainda mais, com a utilização pela ex-secretária de Saúde, Aurélia Fernandes, da máquina do governo para beneficiar seu adversário político o deputado JHC, através de uma campanha aberta e ostensiva a seu favor. Muitos dos companheiros de Câmara da vereadora Aurélia, que parece não terem sido bem tratado por ela, já começam a perguntar o que faz o prefeito a aceitar toda essa ingerência na saúde municipal? O que tem a temer.

Pelo andar da carruagem, talvez Rogério Teófilo não consiga ter um futuro muito tranquilo a sua frente. Convive com o risco concreto do Governo Estadual querer reaver a prefeitura de Arapiraca, e sem perceber está criando uma adversária dentro de seu grupo que é Aurélia Fernandes, que sempre sonhou em ser prefeita da cidade e deverá sair muito fortalecida dessa eleição com a vitória de Rodrigo Cunha e JHC. Para se contrapor a essa provável insurgência, muito provavelmente terá a seu lado a ex-prefeita Célia Rocha e seu antigo concorrente, mas aliado atual o deputado Tarcizo Freire. 
Pelo visto, após essas eleições, Arapiraca voltará a ter três correntes políticas. Governo do Estado com Ricardo Nezinho sendo novamente seu representante; Rodrigo Cunha comandando os dissidentes, devendo ter em Aurélia Fernandes com sua representante e Rogério Teófilo abraçado a seus novos aliados.